Pular para o conteúdo principal

PARIS, MONTMARTRE


      Conforme prometido em uma postagem de 09 07 12 (PARIS, L'AMOUR), estou de volta a Paris, desta vez para conduzi-los por um breve passeio pelo bairro de Montmartre (pronuncia-se MONMARTR), que tem ares de uma cidade do interior. Isto devido à topografia do lugar, que é uma colina, em cujas encostas desenvolveram-se ruas estreitas e sinuosas, muitas das quais mais adequadas aos pedestres do que aos carros.


Além disso, Montmartre tem normalmente mais estrangeiros do que parisienses, o que lhe dá um ar de folga permanente, de nonchalence e dulce vitta. 





Conforme prometido em uma postagem de 09 07 12 (PARIS, L'AMOUR), estou de volta a Paris, desta vez para conduzi-los por um breve passeio pelo bairro de Montmartre (pronuncia-se MONMARTR), que tem ares de uma cidade do interior. Isto devido à topografia do lugar, que é uma colina, em cujas encostas desenvolveram-se ruas estreitas e sinuosas, muitas das quais mais adequadas aos pedestres do que aos carros.


Além disso, Montmartre tem normalmente mais estrangeiros do que parisienses, o que lhe dá um ar de folga permanente, de nonchalence e dulce vitta. 



Uma praça nos acolhe e convida ao relaxamento e à despreocupação. Gozamos de um prazer melancólico, como se aquilo tudo não existisse de verdade, fosse a representação teatral de um tempo que já se foi.




O tempo passa na mesa de um dos seus cafés, enquanto vemos passar as pessoas. Algumas taças de vinho depois, somos tomados da sensação de que é preciso ir e ceder lugar a outro. Adquirimos assim a medida do bairro: é melhor quando estamos um pouco tontos e não nos importa mais se é subida ou descida.



Em Montmartre a máquina fotográfica deve estar sempre ao alcance da mão. Na parte alta do bairro, no entorno da catedral, inúmeras atrações ao ar livre, com artistas de diversos estilos, profissionais e amadores, se exibindo para os visitantes.


 Com total liberdade e bom humor, cada artista ou grupo de artistas busca cativar a audiência, a fim de garantir uma boa quête (coleta), na hora de passar o chapéu. Outros parecem se apresentar mais por divertimento.




Deixar-se retratar por um artista na Place du Tertre, abaixo,  é um programa de família. A primeira grande dificuldade é conseguir um lugar ao sol na pracinha, cercada de cafés e restaurantes e ocupada no centro pelos ateliês dos artistas. Sozinho, é batalha perdida. Mas em grupo, é mais fácil conseguir uma mesa e, sobretudo mantê-la, pois é preciso consumir aos preços salgados que se praticam no lugar. 







Artistas de diferentes nacionalidades, fazendo uso de diferentes técnicas, executam com surpeendente rapidez os retratos.


Segue então, para sua apreciação, uma galeria de fotos do tema artista-modelo-obra:













Os retratos são individuais e coletivos, com vários membros da família se revezando às vezes diante do artista. As mulheres são obviamente maioria, mas os homens se fazem também retratar, sobretudo ao lado das companheiras.


Ao me preparar para tirar a foto abaixo, a moça, que estava aguardando enquanto seu marido era retratado, apresentou-se e posou ao lado dele, como quem diz “a foto ficará incompleta sem mim”. Concordei com um clic. Foram os únicos que deixaram na câmera a impressão direta do olhar.





É esta atmosfera particular que nos faz ver a cidade lá embaixo como um mundo distante,





imagens diluídas no horizonte,







   Lugar para onde retornamos, enquanto a noite se aproxima e Montmartre se prepara para mudar de pele, com afluência de outro tipo de público.

(© Abrão Brito Lacerda)

_____________
________
__








Comentários

  1. Acho que pisamos as mesmas pedras, Abrão. Pensar que ali moraram os maiores artistas de todos os movimentos que a cidade gerou... Isso, por si só, já é uma honra de estar lá. Grande abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…