Pular para o conteúdo principal

ZIRCÔNIA (1ª parte)

I




        Era uma terra de luz e felicidade.  Temperatura controlada em torno dos 22 graus, o sol era um assalariado e poderia se aposentar que ninguém notaria. As células fotozínicas tinham sido inventadas havia dois séculos, o sol tornara-se dispensável. A convocação do grande Concílio, reunindo as principais inteligências do século XXVI, enchia a todos de entusiasmo. A era da luz plena chegara enfim a toda a irmandade e a escuridão seria apenas um registro nos arquivos históricos.
        O Concílio haveria de decidir as diretrizes para os próximos séculos, as pílulas emuladoras da nova disciplina (luz prateada, têmpera zinco), o registro das (raras) doenças, os mortos precoces e os recordes de longevidade, que andavam na casa dos 150 anos. 

        Vieram de troylers, balões pressurizados e netplanes, forma mais parecida com nossos automóveis, só que não usavam estradas, um meio de transporte abolido no final do século XXIII.  Os troylers eram cápsulas metálicas dotadas de propulsor a hidrogênio. Totalmente silenciosos e não poluentes. Tomavam-se nas praças e principais pontos públicos, pois só os netplanes eram meios de locomoção privados. Os balões pressurizados eram igualmente públicos. Podia-se ir de um, dois, até cinco passageiros por unidade, que se dobravam totalmente e cabiam numa bolsa portátil. Ao fim do percurso, eram deixados num posto de controle, onde eram revisados numa linha automática e recolocados em uso. 


        O último assassinato fora há 175 anos, mais de um século após a abolição das armas. Não havia templos para se fazer orações, pois as pílulas espirituais propiciavam saciedade mental e neutralizavam os conflitos existenciais.
        Com efeito, as pílulas eram tomadas desde o nascimento, em rigorosas prescrições diárias. Garantiam saúde, conforto e bem estar. A partir da puberdade, algo em torno dos 16 e 18 anos (16 para os Zenits e 18 para os Alphas), passava-se às pílulas amarelas, as quais só eram abandonadas em torno dos 30 anos, após os ritos de passagem que marcavam o início da idade adulta. Ninguém tinha pressa de amadurecer, já que a vida produtiva durava em torno de 80 anos e a velhice só se fazia sentir depois dos 100.
        Todos tinham o sorriso A de “Accomplished” estampado na cara (Accomplished Zenit e Accomplished Alpha). Os que não o tinham habitavam o Tambling, onde não se respeitavam as pílulas e o Concílio.
        O Tambling era o reino dos sorrisos remanescentes, como o sorriso G dos “Gated”, tribo surgida a partir do 23º milênio, formada por aqueles que defendiam a organização social em círculos fechados e independentes; o sorriso U dos “Up”, povo que fazia uso de pílulas não prescritas e esmerava-se em artes visuais e cênicas, proibidas desde os tempos do Great Gig in the Sky, do qual saberemos depois. O Great Gig marcou o fim dos festivais de niddle music, partículas sonoras que se tomavam sob a língua; havia ainda o sorriso T dos “Thriller” ou “Kamikaze”, que se aventuravam no território A, onde era caçados por farejadores eletrônicos, com hiper-sensores anti T; o sorriso Z dos “Zanner”, controladores das antenas inter-modais, capazes de desmaterializar e transportar uma carga a qualquer ponto da galáxia - o grande saber que rivalizava com o do Concílio; enfim os sorrisos S e B, respectivamente dos “Smart”, magos das equações elípticas e “Booster”, seita defensora do retorno da ciência ao centro das decisões do Concílio – portanto, uma ala dissidente. 

        O sinal luminoso auto-acionou-se três vezes e a têmpera zinco penetrou em todos os pulmões, colocando o povo de Euskeria na mesma sintonia. Seus corpos resplandeceram de luz forforescente, como vaga-lumes gigantes.

II

        - Gut-nát-euska-rôl, iniciou os trabalhos o Deão Supremo, na língua que então se falava, o Euskeria, resultante da fusão de todas as línguas vivas quando da consolidação da Era da Luz Plena. As Diretrizes Cumpridoras, continuou o Deão, são a razão de ser de nossas existências, as existências “Accomplished” dos filhos da luz. O que a última geração do Concílio determinou, foi cumprido à risca, a não ser para os Tamblings, que insistem em viver na escuridão.


        E, erguendo o cálice na direção do Gut-nah-mah (não um altar, mas um centro emissor de luz), proclamou:
        - Declaro abertos os trabalhos da Era Zircônio, cor têmpera zinco, substituindo o ciclo anterior.
        Zenits e Alphas se ergueram a mais três flashes do sinal luminoso auto-acionado, nova liberação de têmpera zinco:

        - Gut-món-dais-tun!, ecoou pela esplanada e através da galáxia inteira o canto de aceitação do povo A.
        - O Ciclo Safira, cor púrpura, levou a sabedoria do Concílio a toda a galáxia. A luz de Zircônia pode agora viajar no tempo.


        Onde quer que estivessem, os defletores portáteis, definitivamente acoplados ao tubo auditivo e ao cerebelo, os colocaria em sintonia. Respiraram profundamente a têmpera zinco em todas as latitudes, a era da luz plena não permitia o mínimo desajuste de freqüência.
        - A Era Zircônio, deverá trazer a consolidação da longevidade para além dos 150 anos. Isto representará um avanço maior do que o dos últimos três séculos, quando o limiar dos 140 anos perdurou mais do que o recomendável. A eliminação dos Tamblings deverá ser completada, para que a cor zinco prevaleça.
        - Gut-món-dais-tun!
        - Vida eterna ao povo A!
        Alphas e Zenits assentaram-se, num movimento milimetrado, praticamente virtual, suas diferenças não eram mais perceptíveis a olho nu.
        Andróides que se deslocavam como balões infláveis – padrão estabelecido na Era Safira, cor púrpura – emitiam raios que tocavam a fronte dos AAs, Accomplished Alphas, e AZs, Accomplished Zenits e faziam expandir a energia, absorvida por todos, conectados a seus defletores portáteis através do sistema solar.


        - A longevidade deve governar cada célula de nosso sistema. Ela garante a harmonia do corpo trabalhador, a eficiência das pílulas da função servidora, a regulação do aparelho reprodutor, a sintonia, enfim, com a malha onipresente da têmpera zinco.
        - Gut-món-dais-tun!
        - Sintonia! Sintonia! Têmpera Zinco!
        - Podem tomar suas pílulas de furor.
        Os andróides conferiram a função servidora de cada um dos delegados, a luz ultra-violeta podia ser liberada.


        - Genk-ukla-toish! Podem ganhar suas cápsulas de programação.
        - Poderemos desencadear a função reprogramadora de DNA para aqueles de sorrisos diferentes?
         A indagação fez tremer Zircônia.
        Ativar a função reprogramadora de DNA – medida máxima de controle só aplicada nos últimos séculos contra o povo de Tambling – significava reunir o máximo de energia que cada defletor portátil podia reunir. O risco de esgotar a função era grande, quase todas as perdas da Era Safira antes dos 140 anos se deram na mobilização individual desta função corretora. Os Tambling e sua carga F-Positive eram praticamente a única vibração capaz de perturbar a ordem da têmpera zinco.
        - Submeteremos a indagação ao Concílio, mas antes vocês devem ganhar suas cápsulas.
        Novo desfile dos andróides em balões infláveis, inalação profunda de têmpera zinco, nova medição da função servidora.


           - O Concílio autoriza o desencadeamento da função reprogramadora de DNA contra o povo Tambling. Todos receberão os novos códigos atualizados para identificarem aqueles de sorrisos diferentes.
        - Gut-món-dais-tun!
        - Sintonia! Sintonia! Têmpera Zinco!




(Continua Sábado 05.05.12)

(Abrão Brito Lacerda)

Comentários

  1. Continue logo, éin Abrão. Tá ótima essa sua viagem cibernética.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gracias,

      prometo continuar próximo sábado 28. O que poderão os Tamblings fazer diante do poder do Concílio?

      Excluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de