Pular para o conteúdo principal

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

          
O Poeta Stéphane Mallarmé em sua sala de estar, onde costumava receber os amigos.

         Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:

Une ivresse belle m’engage
Sans craindre même le tangage
De porter debout ce salut,

são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.
         Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:

SALUT

Rien, cette écume, vierge vers
À ne designer que la coupe;
Telle loin se noie une troupe
De sirènes mainte à l’envers.

Nous naviguons, ô mes divers
Amis, moi déjà sur la poupe
Vous, l’avons fastueux qui coupe
Le flot de foudres et d’hivers;

Une ivresse belle m’engage
Sans craindre même le tangage
De porter debout ce salut

Solitude, récif, étoile
À n’importe ce qui valut
Le blanc souci de notre toile


         (Uma tradução livre pode ser encontrada no final desta postagem, assim como uma “transcrição fonética” do poema.)
         O poema é uma “saudação”, tradução exata de Salut. Mas pode ser também um “brinde”, que é o que o poeta faz a todos os seus convivas. E o poeta a inicia dizendo que não há “Nada, apenas a espuma e o verso virgem” (Rien, cette écume, vierge vers),  designando a taça, a coupe. O verso vai, portanto, nascer da espuma do copo (cerveja?) sobre a folha de papel. A espuma do copo se converte logo depois em espuma do mar, onde são avistadas “tropas de sereias” (Telle loin se noie une troupe / De sirenes mainte à l’anvers).
         A segunda estrofe é a descrição da viagem (Nous naviguons, ô mes divers amis), o bardo na popa e seus companheiros à frente, rompendo as ondas em meio a tempestades invernais. Então, ele é tomada de uma “bela embriaguez” (Une ivresse belle m’engage) e nem sequer se importa mais com o balanço do barco, quando se ergue e oferece sua saudação, seu brinde, que é o ponto alto do poema, sua culminação, representada pelo gesto de erguer a taça:

Une ivresse belle m’engage
Sans craindre même le tangage
De porter debout ce salut

Paris no final do século XIX.

          Assim que nos saúda em pleno mar da embriaguez, ou da inspiração, o eu lírico reflui para a solidão do recife, da estrela (Solitude, récif, étoile) e da branca folha de papel em que escreve (Le blanc souci de notre toile), indicando a contenção e o aspecto racional que governa sua poesia.
             Um movimento vertiginoso, onde não faltam as batidas das ondas (poupe, coupe), as tempestades e os relâmpagos (foudre) redunda no naufrágio (solitude, récif, étoile)  e o manifesto de frustração final, composto pelos dois últimos versos (À n’importe ce qui valut / Le blanc souci de notre toile). Frustração em relação a quê, em se tratando de uma obra tão bem acabada? Uma resposta possível é que o poeta não pode, finalmente, apreender toda a poesia, mas apenas um fragmento desta. O objeto de sua obsessão se esvai assim que ele deita sobre o papel a última palavra.
      Trata-se de um poema de mil leituras, dissecado a torto e a direito ao longo de quase um século e meio desde sua publicação. Se começássemos pelas múltiplas interpretações, não conseguimos nem sequer lê-lo, pois nos perderíamos na metafísica dos estudiosos. Quanto a mim, modestamente vejo Mallarmé despido de mistério. Como amante da boa poesia, entendo que o essencial é usufruir de sua poesia, que é de fato uma meta-poesia, uma poesia sobre a escrita poética, e por isso mais livre de ser apreciada.
         Agora, para os que me leram até aqui, segue uma tradução livre do poema:

SAUDAÇÃO

Nada, esta espuma, verso vírgem
A designar apenas a taça;
Quando, ao longe, afoga-se um bando
De sereias ao inverso.

Nós navegamos, oh! meus muitos
Amigos, eu, na popa
Vocês na frente suntuosa que rompe
O fluxo dos raios e dos invernos;

Uma bela embriaguez me toma
E não temo nem mesmo o balanço (do barco)
Ao erguer-me para (oferecer) este brinde

Solidão, recife, estrela
O que quer que tenha resultado
Da inquietude desta folha branca.
 
Em ação, recitando Salut em algum sarau.


         Reluto a oferecer uma “transcrição” fonética do poema, pois isso parece demasiadamente grosseiro, sobretudo porque não há como representar certos sons do francês com simples letras. Perdoe-me o leitor pelo mau gosto, mas o faço com a intenção de ajudar a compreender a música do poema, seu elemento essencial:

SALI

RRIAN, CETEKIME, VIERGEVER
A NE DEZINHÊ QUE LA KUP
TEL LUAN SE NUÁ IN TRUP
DE SIRRÉN MANTALANVER

NU NAVIGON, Ô ME DIVER
ZAMI, MUÁ DÊJÁ SIR LA PUP
VU LAVAN FASTIÊ QUI KUP
LE FLÔ DE FUDRE Ê DIVER

INIVRESS BEL MANGAGE
SAN CRANDRE MÉM LE TANGAGE
DE PORTÊ DEBU CE SALI

SOLITID, RÊCIF, ÊTUAL
A NAMPORT CE QUI VALI
LE BLAN SUCI DE NOTRETUAL.

          Meu salut ao eterno Stéphane, artesão solitário das palavras!
©
Abrão Brito Lacerda



Comentários

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

50 ANOS DE BUDISMO NO VALE DO AÇO, MG

Ipatinga e região viveu neste 22 de agosto de 2015 um dia histórico com a Convenção Cultural em comemoração aos  50 anos da implantação do Budismo de Nitiren Daishonin no Vale do Aço. O evento é tanto mais significativo porque se confunde com a própria história da cidade, pois foi através da siderúrgica Usiminas, criada em outubro de 1962, que os primeiros japoneses se instalaram no que à época era uma vila pertencente ao município vizinho de Coronel Fabriciano, vindos sobretudo dos estados de São Paulo e Paraná. Com os imigrantes vieram os hábitos e a cultura, com destaque para a culinária e artes como a ikebana, o origami e a caligrafia, além da filosofia grandiosa do Budismo. 
            Muitos tinham se convertido ainda no Japão, outros se converteram após chegarem ao Brasil, graças ao impulso propagador do pós-guerra promovido pela Soka Gakkai, no movimento chamado Kossen-rufu.


































KOSSEN-RUFU E DESENVOLVIMENTO DE VALORES HUMANOS

          Kossen-rufu significa ampla propag…

MAGA PATALÓGIKA E O ORGASMO ATÔMICO

Até que enfim explicaram a explosão da bomba de Hiroshima, um dos segredos mais bem guardados da humanidade, mais inviolável do que, digamos,  o cinto de castidade. Foi um grande avanço para a ciência experimental, nos limites da science fiction, da animação cinematográfica e da física nuclear.             A Maga em questão é mesmo a bruxa dos gibis de Walt Disney, obcecada pela moedinha número um do Tio Patinhas, mas que sempre leva chumbo do velho sovina. Só mesmo um gato agourento e dois corvos ligeiramente néscios, altamente malévolos, o Laércio e o Perácio, igualmente péssimos piadistas, para tolerar a megera. Ainda que a Maga não seja de todo má, é esbelta e ágil – sopa de morcego com pimenta malagueta? –, tem olhos verdes faiscantes e sabe cavalgar uma vassoura como ninguém. Agora descobriram o poder secreto daquele inebriante quaac! que ela solta toda vez que se dá mal.             Convidaram os professores Pardal e Ludovico para chefiar uma série de experiências destin…