Pular para o conteúdo principal

A POESIA DE BRUNO LONTRA FAGUNDES E JOÃO BATISTA MARTINS

     Muitos dos meus amigos são poetas. Alguns escrevem, outros não. Alguns publicam ou já publicaram e outros nunca se atreveram. Várias publicações independentes - mimeografadas, xerocadas ou acabamento completo – encontram-se em minha biblioteca e gostaria de compartilhá-las, mostrando como, do fundo empoeirado de uma página, a matéria poética volta a reluzir, sempre que tocada.  


Edilane, Bruno e Rose - Serra do Cipó, circa 1996

     O primeiro é de Bruno Flávio Lontra Fagundes e foi extraído de publicação sem título de 1980:

Inda resta um punhado de sol!
Choveu ainda agora
não sentes a terra úmida
e as flores , não vês
se vestem de perfumes, escondidas ainda,
sairão já não vês?

Pra lá é Minas!
Conheço seus campos, seu cheiro de montanhas,
seu gosto de saudades

Rapaz,
ainda resta um punhado de sol, resta sim.
(semear os campos, colher as estradas, estrelas)
sair cantando as luas
a poesia dos corações distraídos.
Pois assim e somente assim
seremos invencíveis.


     Quanta insouciance! Sobretudo quando nos lembramos que 1980 era uma época libertária, com a ditadura militar agonizando e os novos rumos do Brasil apenas se insinuando. O ideário dos 60 e 70 ainda fazia escola, mas nada disso se faz sentir neste poema. O que sobressai aqui é o vigor juvenil e a confiança na vida, embasados em uma certa “mineiridade”, a saber, uma divagação melancólica sobre os temas da natureza e dos sentimentos do interior.
O segundo é Poesia de João Batista Martins, extraído do (ótimo) livro Tempos Vagabundos de 1998:

Tudo é matéria
Abismo ou espaço
Semente ou desejo
Porrada ou beijo.

Tudo é matéria
Terra e fogo
Lua e vento
Olhar e traição.

De tudo retiras
A matéria fina
Que te anima. 







Reunião de poetas, loucos e afins no final dos anos 90 em Belo Horizonte. O bravo João Batista é o que traz a mulata no colo.






    Tratamento universal do tema da inspiração poética, um poema réussi, bem realizado. O que mais vejo nele? Resquícios da poesia de rua da geração mimeógrafo dos anos 70, capaz de garimpar lampejos de beleza nas frestas do concreto da cidade moderna, a concisão dos concretistas e de Paulo Leminski e o equilíbrio do todo, mostrando que o poeta tem consciência do seu papel e não se desespera.
©
Abrão Brito Lacerda

Comentários

  1. Ah, Abrão, você nos presenteando mais uma vez!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. É bom ver que as coisas estão dando certo.

      Excluir
  2. Abrão, valeu. Depois te mando alguma coisa mais. Já que eu não providenciei nada, vc "catou" algumas palavrinhas perdidas aí no início dos tempos, não é? Gostei das fotos também e Joãozinho com "a mulata no colo" é demais. E vc no Borges da Costa olhando pra máquina e meditando como quem diz "vai me ajudar ou não?" é demais também. Abs. Bruno, que porventura é o Fagundes do poema.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salut, Brunus, merci de ton commentaire. Você gostou do conto Borgeana?

      Excluir
  3. Querido Abrão,
    Viajar pelos teus contos é muito saboroso...
    Conhecer pedaço de sua trajetória é bastante prazeroso...
    Apreciar os poemas, então...
    Saudações aos teus amigos...
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  4. saaalve camaradas!!! Sabem aquela do Tupi tocando o Alaúde do Mário de Andradade? é assim que me sinto nestes ambientes. de novo. Gostei desse negócio de blogar. está lindo.

    obrigado pela escolha do poema. e já que puseste um Borgeana, envio-te um poema do mesmo livro feito para a outra moradia estudantil. MOFUCEANA.
    Pardais
    Políticos
    Parasitas
    e tiras
    na corda
    bamba
    da lira.


    e mais este revisitado:

    CIGARRA
    o que em
    você
    silencia
    em mim
    poesia.

    abraço, do Joao;;

    pense envie os contos do livro....

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Gostaria de deixar um comentário?

Postagens mais visitadas deste blog

CAI O QUEIXO

Neusa Santos 27 de dezembro às 05:58 ·  Bom dia , Matutina !


Para começar, uma nobre verdade: não conheço a Neusa. Pelo menos, não pessoalmente. Não se trata de uma ex-colega de faculdade, de alguém que virou celebridade de um minuto através de milhões de likes, eu a encontrei no perfil de um amigo e ela acabou se tornando também minha “amiga”. Fora isso, nunca a vi mais magra, a não ser nas selfies do Facebook. Mas como final de ano é uma época para mensagens altruísticas e não coisas do tipo “vejam minha ceia de Natal, gente como estou magra! Este é o meu bebê”, escolhi a Neusa como leitmotiv desta crônica, pois ela fala com o coração repleto de sinceridade.             A considerar por suas postagens, a rotina da Neusa começa bem cedo. Com os raios da manhã brilhando ao fundo da serra, eis sua selfie matinal: “Bom dia, Matutina!”. Sua cara de pera de vez e seus olhos vivos aparecem então na foto, muitas vezes com seus instrumentos de trabalho ao fundo, pois a Neusa é gari na cidadezinh…

STÉPHANE MALLARMÉ: SALUT

Os versos que ilustraram certa vez o topo deste blog:
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter debout ce salut,
são do poeta francês Stéphane Mallarmé (1842 - 1898), nome fundamental na história do gênero e um  dos autores da minha predileção.          Antes de maiores comentários, gostaria de apresentar o poema. Não exijo que o leitor saiba francês, pois vou tentar “explicá-lo”. Se souber, melhor:
SALUT
Rien, cette écume, vierge vers À ne designer que la coupe; Telle loin se noie une troupe De sirènes mainte à l’envers.
Nous naviguons, ô mes divers Amis, moi déjà sur la poupe Vous, l’avons fastueux qui coupe Le flot de foudres et d’hivers;
Une ivresse belle m’engage Sans craindre même le tangage De porter de

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DA BANDA FILARMÔNICA

Sentado em uma poltrona marrom encardida, seu Alfa assiste a seu programa favorito na TV. Não se trata do “Show da tarde” nem do “Jornal das quatro”, mas sim do “shoptime”, cheio de novidades interessantes, como o multiprocessador Vavita, uma revolução no mundo dos alimentos. O multiprocessador Vavita é prático, fácil de usar e pode ser comprado em trinta vezes no cartão. Seu Alfa ergue as sombrancelhas ao ouvir a oferta anunciada pela garota-propaganda, ou melhor, senhora-propaganda.
Pelas paredes do quarto, diversas lembranças e fotos penduradas. Em uma delas, seu Alfa posa com a equipe de futebol do exército. “Eu era lateral esquerdo”, afirma com uma ponta de orgulho. Na clássica formação de metade de cócoras e a outra metade em pé, ele aparece aprumado e confiante, deve ter sido um bom lateral. Em outra foto, ele perfila com farda e capacete debaixo do braço. “Sou o do meio, na primeira fila”, aponta com um viés de nostalgia. - Era muito difícil a vida no exército? - Tinha que leva…